A Dança é uma das músicas da Legião Urbana que mais se refere a atualidade e a sociedade. Diz muito sobre a juventude e o modo dela agir. Apesar de ser de 1985, do primeiro álbum da Legião (chamado "Legião Urbana"), é uma música que reflete a atualidade. Segue-se abaixo a interpretação com letra e vídeo:


Não sei o que é direito
Só vejo preconceito
E a sua roupa nova
É só uma roupa nova

A música é como se fosse o cantor (Renato Russo) falando para o típico jovem que ele quer passar a certa moral, ele diz: "Não sei o que é direito, só vejo preconceito" ou seja, não sabe o que é certo, só se vê preconceito. Ele se refere as roupas dizendo: "e a sua roupa nova, é só uma roupa nova" colocando uma certa continuação no preconceito ("E a sua..."), ele diz isso referindo-se que a roupa, não é nada de mais, é apenas uma roupa, não o faz melhor que ninguém, que é o ponto que chegaremos adiante.
 
Você não tem idéias
Pra acompanhar a moda
Tratando as meninas
Como se fossem lixo

Nessa parte vemos que ele segue apenas um tipo de moda passageira e que trata as meninas "como se fossem lixo", trata as garotas (possivelmente as com que se relaciona) como se fossem inferiores, como se fossem literalmente, lixo.

Ou então espécie rara
Só a você pertence
Ou então espécie rara
Que você não respeita

Essa parte, complementa a que já foi analisada. Ele trata as meninas como se fossem lixo. Ou então a espécie rara, que só à ele pertence. Ou então uma espécie rara, que ele não respeita. Ele quer tudo pra ele, "só à ele pertence" e ele não respeita o que é "dele". A "espécie rara" pode ser além das meninas, propriamente ditas, a própria sociedade ou pessoas que fazem partes de um grupo de amigos, dele, claro.

Ou então espécie rara
Que é só um objeto
Pra usar e jogar fora
Depois de ter prazer.

Ou então uma espécie rara que é somente um objeto, que ele usa e joga fora, depois de ter prazer. Ou seja: Depois que ele usou as pessoas, ele as descarta, deixa elas de lado, afinal, ele usa as pessoas, e quando tem ou consegue o que busca, já não necessita. Ele busca isso: Ter à todos e ter tudo.

Você é tão moderno
Se acha tão moderno
Mas é igual a seus pais

Ele é moderno. Ele vive na modernidade, e se acha "moderno", afinal, ele se veste e comporta como alguém que vive na modernidade, mas é igual aos pais, ultrapassado, de uma modernidade ultrapassada, digamos. Onde o que antigamente era bom, hoje já não é. Podemos usar a moda (propriamente dita na música) como exemplo - Um tempo é bom, no outro já se torna ridículo.

É só questão de idade
Passando dessa fase
Tanto fez e tanto faz.

Nessa parte vemos a opinião dele, diante de não apenas um, mas muitos jovens: "É só questão de idade/Passando dessa fase/Tanto fez e tanto faz" ou seja, é uma questão de idade, de fases, dessa época adolescente e que passando dessa fase, dessa "etapa" tudo mudará, "tanto fez e tanto faz", tudo perderá seus valores e o que era legal, torna-se ridículo, para um futuro adulto.

Você com as suas drogas
E as suas teorias
E a sua rebeldia
E a sua solidão

Essa parte é como se tudo fosse "mandado" na cara do jovem: "Voce com suas drogas" se referindo possivelmente claro, às drogas, e as bebidas. E as "teorias" que ele possa ter montado e a "rebeldia" do modo dele agir... Tudo isso, gera à "solidão". Ele tem muitos ao redor, mas se sente sozinho e age sozinho.

Vive com seus excessos
Mas não tem mais dinheiro
Pra comprar outra fuga
Sair de casa então

Ele vive com os excessos desse mundo capitalista. Vive comprando e consumindo coisas em excessos, uma vez que ele só tem "roupas novas", isso acarreta a falta do dinheiro, o que o leva à não comprar "outra fuga" - outra festa, outra saída (como é dito), outras bebidas ou drogas...

Então é outra festa
É outra sexta-feira
Que se dane o futuro
Você tem a vida inteira

Aqui ele continua dizendo a vida do garoto: É outra festa, mais uma sexta feira (de tantas), e mostra o ponto de vista do menino, ele continua dizendo tudo na "cara" dele: "Que se dane o futuro/Voce tem a vida inteira" provavelmente é esse o pensamento do garoto, afinal, ele vive com drogas, bebidas, sexo, festas... Ele vive de um mundo sem futuro, e não pensa nesse, vive o agora, e "que se dane" o futuro.

Você é tão esperto
Você está tão certo
Mas você nunca dançou
Com ódio de verdade.

Aqui diz o que ele pensa: ele se acha esperto, e se acha sempre certo, porém, ele nunca "dançou com ódio de verdade". Mas o que seria o "dançar" com ódio de verdade, uma vez que ele é um menino que vive em brigas, revoltado? Simples, ele não é assim! Ele veste uma máscara pra poder se aparecer, assim como veste as marcas famosas de roupas novas, para poder ingressar num grupo. O "Dançar com ódio de verdade" seria o "viver em risco" com real perigo, com real noção de perigo, mostrando que na verdade, ele não vive em perigos.

Você é tão esperto
Você está tão certo
Que você nunca vai errar

Aqui repete o pensamento anterior: ele se acha esperto e se acha certo, pensando que nunca vai errar.

Mas a vida deixa marcas
Tenha cuidado
Se um dia você dançar.

Aqui é o complemento do que é dito anteriormente:
Ele dá uma lição de moral no garoto, mostrando "A vida deixa marcas" dizendo pra ele que tudo o que ele fizer, um dia de certa forma, retornará para ele, e dá o recado: "Tenha cuidado/Se um dia você dançar", como se ele estivesse dizendo a ele, que se um dia ele realmente quiser viver em riscos, viver no que ele diz que vive, ele deve tomar cuidado, afinal, de certa forma, esse ato retornará de certa forma.

Nós somos tão modernos
Só não somos sinceros
Nos escondemos mais e mais
É só questão de idade
Passando dessa fase
Tanto fez e tanto faz.

Aqui nos mostra o pensamento deles: "Nós somos tão modernos/Só não somos sinceros". Eles vivem na modernidade, mas não usam a sinceridade, eles "se escondem mais e mais", sempre estão vestindo máscaras, vivendo da mentira. É complementado: "É só questão de idade/Passando dessa fase/Tanto fez e tanto faz" completando a falta de sinceridade e mentira onde eles vivem. Que um dia isso acabará, quando eles crescerem e se tornarem adultos, enquanto isso, são jovens que ainda seguem o:  "tanto fez e tanto faz". 
___

A música apesar de já se ter anos desde sua composição é bem atual, relata muito esse lado jovem de "não estar nem aí com o que virá", esse lado de alguns jovens que usam o "sexo, drogas, bebidas etc.". A música por mais antiga que seja, é uma das muitas que sempre serão atuais. Ela nos dá uma moral muito importante nessa questão de influência da mídia, de marcas. Nos mostra muito esse lado de pessoas que usam outras como objetos e claro, de pessoas que vivem sem compromisso com tudo e com todos. 


Interpretação, escrita e análise: Eduardo Rezende


5 comentários to "Interpretação: A Dança"

  • A música é realmente atual, pois como o Renato quis dizer, "é só questão de idade". Todos os adolescentes são assim, todos acham que têm os maiores problemas do mundo. Todos, desde 1980 ou muito antes até 2011. Ótima análise. Somente uma ressalva: "mas não tem mais dinheiro pra comprar outra fuga, sair de casa então...": nesse ponto o Renato se referia à drogas, que eram o ponto de escape dos jovens naquele tempo e hoje em dia, um método de fugir da realidade.

  • Talvez Talita, você não tenha entendido o significado de interpretação e análise.

  • quando eu ouvi essa música eu interpretei quase que exatamente igual a sua interpretação.

  • Muito boa a interpretação porém eu acho que no trecho "tanto fez e tanto faz" seja sarcástico como se fosse um adulto que ja não liga para o que passou e que tanto faz.

  • Li certa vz em uma entrevista do Renato(década de 80) que essa música falava sobre sexismo!!Legal a interpretação de vc!!LEGIÃO VIVE!!

Postar um comentário

Comentem aqui o que acharam ou o que pensam sobre!