A letra, por ser muito grande, foi dividida em várias partes, que eu considero como as fases de João de Santo Cristo. Segue-se a letra e interpretação:

Infância de João de Santo Cristo: 

"Não tinha medo o tal João de Santo Cristo
Era o que todos diziam quando ele se perdeu
Deixou pra trás todo o marasmo da fazenda
Só pra sentir no seu sangue o ódio que Jesus lhe deu
Quando criança só pensava em ser bandido
Ainda mais quando com um tiro de soldado o pai morreu
Era o terror da sertania onde morava
E na escola até o professor com ele aprendeu
Ia pra igreja só pra roubar o dinheiro
Que as velhinhas colocavam na caixinha do altar
Sentia mesmo que era mesmo diferente
Sentia que aquilo ali não era o seu lugar
Ele queria sair para ver o mar
E as coisas que ele via na televisão
Juntou dinheiro para poder viajar
De escolha própria, escolheu a solidão
Comia todas as menininhas da cidade
De tanto brincar de médico, aos doze era professor.
Aos quinze, foi mandado pro o reformatório
Onde aumentou seu ódio diante de tanto terror.
Não entendia como a vida funcionava
Discriminação por causa da sua classe e sua cor
Ficou cansado de tentar achar resposta
E comprou uma passagem, foi direto a Salvador."

A primeira parte fala muito do preconceito que João vivia, fala sobre a morte do pai, e sobre a esperança do futuro do menino. Crescendo em meio à violência, crescendo em meio aos maus tratos e maus atos, João desde cedo aprendeu o que é viver duramente. Era um menino que podemos considerar, que tenha vivido mais coisas em sua infância, que muitos durante a vida toda.
João cansado de tanta injustiça e de tanta coisa errada, decide deixar-se iludir, e vendo a TV (mostrando aqui, a influência da mídia) juntou dinheiro para viajar, e acabou-se por viver só. Depois disso, depois de não achar respostas para sua vida, decidiu ir viajar para Salvador, juntando todo o seu dinheiro.
Até então, ele já teria perdido o pai, já teria roubado igrejas e já teria feito sexo com todas as "menininhas da cidade".

Juventude de João de Santo Cristo: 

"E lá chegando foi tomar um cafezinho
E encontrou um boiadeiro com quem foi falar
E o boiadeiro tinha uma passagem e ia perder a viagem
Mas João foi lhe salvar
Dizia ele: "Estou indo pra Brasília
Neste país lugar melhor não há
Tô precisando visitar a minha filha
Eu fico aqui e você vai no meu lugar"
E João aceitou sua proposta
E num ônibus entrou no Planalto Central
Ele ficou bestificado com a cidade
Saindo da rodoviária, viu as luzes de Natal
'Meu Deus, mas que cidade linda,
No Ano-Novo eu começo a trabalhar'
Cortar madeira, aprendiz de carpinteiro
Ganhava cem mil por mês em Taguatinga
Na sexta-feira ia pra zona da cidade
Gastar todo o seu dinheiro de rapaz trabalhador
E conhecia muita gente interessante
Até um neto bastardo do seu bisavô
Um peruano que vivia na Bolívia
E muitas coisas trazia de lá
Seu nome era Pablo e ele dizia
Que um negócio ele ia começar
E o Santo Cristo até a morte trabalhava
Mas o dinheiro não dava pra ele se alimentar
E ouvia às sete horas o noticiário
Que sempre dizia que o seu ministro ia ajudar
Mas ele não queria mais conversa
E decidiu que, como Pablo, ele ia se virar
Elaborou mais uma vez seu plano santo
E sem ser crucificado, a plantação foi começar."

Aqui, a vida de João se transforma.
Ele vai à Brasília por "acaso", e lá, conhecendo uma nova esfera, um novo meio de pessoas diferentes, começou o trabalho.
Carpinteiro em Taguatinga, nas sextas gastava dinheiro com sexo, conhecia gente famosa e num desses encontros um antigo parente. Pablo, um peruano, mexia com drogas, o que fica claro, quando ele começou o trabalho na "plantação", pois ele já trabalhava muito e não via o "retorno" (ou não aproveitava bem ele).

Mudança de João de Santo Cristo:

"Logo logo os maluco da cidade souberam da novidade:
'Tem bagulho bom ai!'
E João de Santo Cristo ficou rico
E acabou com todos os traficantes dali.
Fez amigos, frequentava a Asa Norte
E ia pra festa de rock, pra se libertar
Mas de repente
Sob uma má influência dos boyzinho da cidade
Começou a roubar.
Já no primeiro roubo ele dançou
E pro inferno ele foi pela primeira vez
Violência e estupro do seu corpo
'Vocês vão ver, eu vou pegar vocês'
Agora o Santo Cristo era bandido
Destemido e temido no Distrito Federal
Não tinha nenhum medo de polícia
Capitão ou traficante, playboy ou general
Foi quando conheceu uma menina
E de todos os seus pecados ele se arrependeu
Maria Lúcia era uma menina linda
E o coração dele pra ela o Santo Cristo prometeu
Ele dizia que queria se casar
E carpinteiro ele voltou a ser
'Maria Lúcia pra sempre vou te amar
E um filho com você eu quero ter'"

João, acabou ficando rico com o comércio fácil das drogas. Faliu muitos traficantes e acabou ganhando fama, frequentando a "Asa Norte" (parte nobre de Brasília), começou depois disso, a influência nos roubos e logo, começaram os estupros e violências em seu corpo (podemos usar a prostituição), depois de tanto mudar, de mudar de mal à pior, ele mudou de pior, ao bom. Ele conheceu Maria Lúcia, a qual sentiu desejo de casar e de ter um filho, tendo tais sonhos, desistiu de tudo e se arrependeu de seus antigos atos.

O Tempo e João de Santo Cristo:

"O tempo passa e um dia vem na porta
Um senhor de alta classe com dinheiro na mão
E ele faz uma proposta indecorosa
E diz que espera uma resposta, uma resposta do João
'Não boto bomba em banca de jornal
Nem em colégio de criança isso eu não faço não
E não protejo general de dez estrelas
Que fica atrás da mesa com o cu na mão
E é melhor senhor sair da minha casa
Nunca brinque com um Peixes de ascendente Escorpião'
Mas antes de sair, com ódio no olhar, o velho disse:
'Você perdeu sua vida, meu irmão'
'Você perdeu a sua vida meu irmão
Você perdeu a sua vida meu irmão
Essas palavras vão entrar no coração
Eu vou sofrer as consequências como um cão'
Não é que o Santo Cristo estava certo
Seu futuro era incerto e ele não foi trabalhar
Se embebedou e no meio da bebedeira
Descobriu que tinha outro trabalhando em seu lugar
Falou com Pablo que queria um parceiro
E também tinha dinheiro e queria se armar
Pablo trazia o contrabando da Bolívia
E Santo Cristo revendia em Planaltina"

Aqui está o clímax da história.
Aqui, vemos os pontos da Ditadura. Pessoas propondo feitos em mãos de outras (explosão em banca de jornal - pelo jornal falar mal do governo, e colégio de crianças - por professores falarem a verdade).
Vemos também a presença irônica de Renato perante o governo.
Nessa parte, é bem declarado que João se transforma, e aqui, ele começa a usar armas, e revender drogas em Brasília.

Reviravolta e João de Santo Cristo: 

"Mas acontece que um tal de Jeremias,
Traficante de renome, apareceu por lá
Ficou sabendo dos planos de Santo Cristo
E decidiu que, com João ele ia acabar
Mas Pablo trouxe uma Winchester-22
E Santo Cristo já sabia atirar
E decidiu usar a arma só depois
Que Jeremias começasse a brigar
Jeremias, maconheiro sem-vergonha
Organizou a Rockonha e fez todo mundo dançar
Desvirginava mocinhas inocentes
Se dizia que era crente mas não sabia rezar
E Santo Cristo há muito não ia pra casa
E a saudade começou a apertar
'Eu vou me embora, eu vou ver Maria Lúcia
Já tá em tempo de a gente se casar'
Chegando em casa então ele chorou
E pro inferno ele foi pela segunda vez
Com Maria Lúcia Jeremias se casou
E um filho nela ele fez
Santo Cristo era só ódio por dentro
E então o Jeremias pra um duelo ele chamou
Amanhã às duas horas na Ceilândia
Em frente ao lote 14, é pra lá que eu vou
E você pode escolher as suas armas
Que eu acabo mesmo com você, seu porco traidor
E mato também Maria Lúcia
Aquela menina falsa pra quem jurei o meu amor'"

Por falta de oportunidades, João começou as revendas de drogas, com isso, conseguiu a inimizade com outros traficantes, como Jeremias.
O mesmo traficante, Jeremias, casou-se com Maria Lúcia, a prometida e amada de João, é ai que ele sente que vai ao Inferno pela segunda vez na vida, com muito ódio, João resolve ter um duelo com Jeremias.
Acho muito interessante citar a Rockonha, que nada mais era do que festas de bandas de Rock com muita droga, e bebida, o que gera o famoso "Sexo, drogas e Rock in Roll".

O Duelo e João de Santo Cristo: 

"E o Santo Cristo não sabia o que fazer
Quando viu o repórter da televisão
Que deu notícia do duelo na TV
Dizendo a hora e o local e a razão
No sábado então, às duas horas,
Todo o povo sem demora foi lá só para assistir
Um homem que atirava pelas costas
E acertou o Santo Cristo, começou a sorrir
Sentindo o sangue na garganta,
João olhou pras bandeirinhas e pro povo a aplaudir
E olhou pro sorveteiro e pras câmeras e
A gente da TV que filmava tudo ali
E se lembrou de quando era uma criança
E de tudo o que vivera até ali
E decidiu entrar de vez naquela dança
'Se a via-crucis virou circo, estou aqui'
E nisso o sol cegou seus olhos
E então Maria Lúcia ele reconheceu
Ela trazia a Winchester-22
A arma que seu primo Pablo lhe deu
'Jeremias, eu sou homem. coisa que você não é
E não atiro pelas costas não
Olha pra cá filha-da-puta, sem-vergonha
Dá uma olhada no meu sangue e vem sentir o teu perdão'
E Santo Cristo com a Winchester-22
Deu cinco tiros no bandido traidor
Maria Lúcia se arrependeu depois
E morreu junto com João, seu protetor
E o povo declarava que João de Santo Cristo
Era santo porque sabia morrer
E a alta burguesia da cidade
Não acreditou na história que eles viram na TV
E João não conseguiu o que queria
Quando veio pra Brasília, com o diabo ter
Ele queria era falar pro presidente
Pra ajudar toda essa gente que só faz...
Sofrer..."


Aqui é a ultima parte da música, é nessa parte que vemos o grande desfecho da vida de João de Santo Cristo, é aqui que vemos novamente o poder da Mídia.
Mesmo quase morrendo, João matou seu traidor, e Maria Lucia, se matou para ir com João.
Vemos então que o que João sempre quis, foi resolver as indiferenças com autoridades. O que ele queria era se resolver com o presidente e não conseguiu o que queria, pois morreu antes disso, porém, esse ato foi contemplado também pela alta sociedade de Brasília.
Acho interessante mencionar a "Se a via-crucis virou circo, estou aqui": Via-Crucis é o caminho que Cristo fez, "Caminho da Cruz" seria sua tradução do Latim ao Português, porém, aqui é associado ao ato de João de Santo Cristo (vemos que o nome nos lembra isso). Sua vida foi uma Via-Crucis, foram torturas e momentos de dor que João viveu toda a vida, e agora, seus momentos de dor, foram aplaudidos, sua "via Crucis" virou "circo", para ser aplaudida, e mesmo assim, ele continua em pé, lutando para ganhar.

Espero ter sido compreendido, e espero que tenham gostado. O vídeo está na postagem da apresentação.

Blogado e interpretado por: Eduardo Rezende


9 comentários to "Interpretação: Faroeste Caboclo"

  • Oii, meu nome é Priscila. gostei muito da interpretação que você fez da música (:
    mas na parte
    "já no primeiro roubo ele dançou e pro inferno ele foi pela primeira vez, violência e estupro do seu corpo.."
    no meu ponto de vista, eu vejo que ele foi pra cadeia, e lá ele foi abusado pelos outros presos. E quando fala qe ele foi pro inferno pela segunda vez, também acho qe ele foi pra cadeia novamente e, enquanto ele estava preso, Maria Lúcia e Jeremias se casaram (:

  • Realmente, nunca havia pensado dessa forma, e se encaixa perfeitamente... Ainda mais levando em conta o seu segundo ponto. Parabéns! Seja sempre bem vinda por aqui querida!

  • Acho que a segunda vez que ele foi para o inferno, ele não estava preso, e sim, foragido, pois os versos "E Santo Cristo há muito não ia pra casa
    E a saudade começou a apertar Eu vou me embora, eu vou ver Maria Lúcia Já tá em tempo de a gente se casar" dá a impressão que ele era livre para a qualquer momento voltar para sua amada. Abraços a todos!!!

  • Um interessante ponto que não pode ser descartado... Força sempre!

  • olá,me chamo Vanda..
    Uma vez li uma interpretação que afirmava que a Maria Lucia,era a tal filha do boiadeiro,que cedeu a passagem para joão,o q vc acha?:)

  • Interessante, Vanda, seu ponto de vista.
    Quando criança, pensava dessa forma, como se o pai, querendo saber como andava a filha e não podendo ir vê-la, manda João em seu lugar, mas imagino que não, não foi por aí, porque nada é dito sobre isso, se ela realmente seria ou não a tal filha do boiadeiro. É um fato não concreto, mas analisando friamente e cruelmente uma letra tão fantástica quanto essa, imagino que não. rs

  • Alo, eu sou do Paraguai, assim que eu acho que voces poderam perdoar meu portugues ruim.

    Num meu ponto de vista a primeira ves de ir pro inferno ele vai pra cadeia, como dizze priscila, mais a egunda ves ir para o inferno e so uma forma de descrever como estava se sintindo o Joao ao ver sua namora e comprometida com a Jeremias. So isso.

  • Renato quis dizer que: João não conseguiu o q queria quando veio pra brasília. ele nem sábia que ia pra brasília, foi um boiadeiro que deu a passagem. abração! amei sua analise

  • gosteii bastante!!

Postar um comentário

Comentem aqui o que acharam ou o que pensam sobre!