Quando comecei o blog, esperava por esse momento.
O momento de analisar uma das mais críticas músicas da Legião; uma das minhas músicas preferidas dentre as críticas e uma música que deveria ser considerada o "hino nacional" para e por todos nós brasileiros.
"Perfeição" é o retrato, literalmente perfeito, de uma nação com características tão negativas como a pátria amada, idolatrada, Brasil. É a música que é apresentada em "O Descobrimento do Brasil", sendo ela, a última música à contar com videoclipe, sendo ele, considerado o mais bem feito da história da banda que influenciou uma onde pessoas; uma verdadeira legião de mentes críticas.
Perfeição se abre com um ponto direto e crítico, que não merece nada profundo, apenas um reforço em seus contornos. Perfeição se abre como uma cortina, para o espetáculo de tragédias verde-amarelo, abrangendo a situação do Brasil e de todo o mundo. Os problemas são universais.

Vamos celebrar

A estupidez humana
A estupidez de todas as nações
O meu país e sua corja
De assassinos
Covardes, estupradores
E ladrões...

Vamos celebrar

A estupidez do povo
Nossa polícia e televisão
Vamos celebrar nosso governo
E nosso estado que não é nação...

Dividi a música em partes, contando cada uma com uma dupla de estrofes.
A primeira parte, assim como toda a música, apresenta de forma irônica o contexto de "satisfação" com os malefícios sociais. Renato, em um campo de flores, convida cidadãos brasileiros à se levantarem e celebrar a estupidez da espécie, a estupidez das nações, celebrar a estupidez de um país sujo e a corja de cidadãos mascarados. Pede para celebrarmos a estupidez de um povo - como um todo - a polícia incapaz e uma televisão alienadora, celebrar a incapacidade do governo, e o estado que não é nação. O Estado que não contribui para seus habitantes.

Celebrar a juventude sem escolas

As crianças mortas
Celebrar nossa desunião...
Vamos celebrar Eros e Thanatos
Persephone e Hades

Vamos celebrar nossa tristeza
Vamos celebrar nossa vaidade...

Renato, agora num cenário um pouco mais monótono e meno
s agitado, levanta a voz e pede por celebrações para uma juventude sem escolas, pela vida - ou falta dela - de crianças, e da desunião de uns com outros embaixo de uma árvore. 
Pede para celebrarmos a personificação do amor, a personificação da morte, a personificação de fertilidade, e o deus da morte, Hades.
Pede para celebrarmos "nossa tristeza", celebrar a "nossa" vaidade.


Vamos comemorar como idiotas
A cada fevereiro e feriado
Todos os mortos nas estradas
Os mortos por falta
De hospitais...

Vamos celebrar nossa justiça

A ganância e a difamação
Vamos celebrar os preconceitos
O voto dos analfabetos
Comemorar a água podre
E todos os impostos
Queimadas, mentiras
E sequestros...

Renato, mais uma vez, de forma irônica, mostra a estupidez dessa nação quando diz "comemorar como idiotas a cada fevereiro e feriado", se referindo ao pão-e-circo que temos todos os fevereiros com a presença do Carnaval, e os problemas que ele acarreta, como os mortos nas estradas e os mortos por falta de hospitais - abrindo duas críticas: a primeira pela superlotação, de tantos acidentes ocorrendo, e a segunda, como é dito, por não haver muitos hospitais. Ironiza o termo "justiça", nos dando a referência dessa justiça injusta ("Baader-Meinhof Blues"), fala da ganância e a difamação. Celebrar os preconceitos, o voto dos analfabetos e outros problemas expostos ironicamente e bem colocados diretamente. 

Nosso castelo
De cartas marcadas
O trabalho escravo
Nosso pequeno universo
Toda a hipocrisia
E toda a afetação
Todo roubo e toda indiferença
Vamos celebrar epidemias
É a festa da torcida campeã...

Vamos celebrar a fome

Não ter a quem ouvir
Não se ter a quem amar
Vamos alimentar o que é maldade
Vamos machucar o coração...


Vamos celebrar "nosso castelo de cartar marcadas": Celebrar os problemas e as respostas que já são óbvios e armados; o trabalho escravo, o "pequeno" e fechado universo próprio do meio social. 
Interessante citar, que o termo "hipocrisia" quando cantado no clipe, é seguido do ato de Renato baixar os olhos para o livro que carrega consigo, provavelmente uma bíblia, dando a ideia de hipocrisia religiosa, a pior espécie da hipocrisia: Onde o amor deveria sera prioridade, a disputa por fiéis e por "quem está certo ou errado" se torna o alvo do primeiro patamar. "Festa do torcida campeã", referindo-se ao futebol e ao pão-e-circo de uma mídia que robotiza pessoas e as cega diante de tantos problemas.
Ainda de forma irônica, celebrar a fome, o "não ter à quem ouvir" e "não se ter a quem amar", referindo-se à falsidade das pessoas e não necessariamente a presença (ou a falta dela) dessas pessoas em seu meio.
Vamos alimentar o que é maldade, "colocar lenha na fogueira"; vamos machucar o coração, "maltratar, pisar e esfarrapar o sentimento alheio".

Vamos celebrar nossa bandeira
Nosso passado
De absurdos gloriosos
Tudo que é gratuito e feio
Tudo o que é normal
Vamos cantar juntos
O hino nacional
A lágrima é verdadeira
Vamos celebrar nossa saudade
Comemorar a nossa solidão...

Vamos festejar a inveja
A intolerância
A incompreensão
Vamos festejar a violência
E esquecer a nossa gente
Que trabalhou honestamente
A vida inteira
E agora não tem mais
Direito a nada...

"Vamos celebrar nossa bandeira, nosso passado de absurdos gloriosos":
Vamos celebrar nossa pátria, desse verde que simboliza as matas, que foram devastadas, cortadas de ponta à ponta, desde 1500, fazendo a madeira ser exportada do solo brasileiro; celebrar esse amarelo, que simboliza as riquezas naturais e o ouro, que foram extraídos em outrora para abastecer um comércio externo, fazendo os reais brasileiros, nativos da terra de "solo fértil", ficar sem o que era seu por direito; celebrar esse azul que simboliza a paz que jamais tivemos e a pureza do seu céu, que antes era limpo, e hoje é cinza, poluído cada vez mais ("Fábrica").
Celebrar tudo o que é gratuito e feio, que se tornou "normal" perante todos nós, desde às sete da manhã até as dez da noite, onde a moral e os reais sentidos foram invertidos e convertidos em seus opostos.
Vamos cantar juntos um choro de apelo, que é o hino nacional. Um só grito que pede por mudanças - mais do que urgentes, nos quatro cantos do Brasil.



Vamos celebrar a aberração
De toda a nossa falta
De bom-senso
Nosso descaso por educação

Vamos celebrar o horror de tudo isso
Com festa
Com velório e Caixão
Está tudo morto, enterrado agora
Já que também devemos celebrar
A estupidez de quem cantou essa canção

Vamos celebrar todas as ironias contidas na música, com festa, com velório e caixão, afinal, toda a moral e os reais valores humanos, estão mortos e enterrados pela presença do comodismo e o "não querer mudar", que as novas gerações trouxeram enraizadas dentro de si.
Vamos celebrar, já que a vida é uma ironia, uma inversão de valores, e uma confusão. Uma catástrofe. Vamos celebrar a estupidez, de quem acredita que a ironia contida na música, é a verdadeira "moral" que se deve ensinar. Vamos, já que também podemos, celebrar a estupidez de quem canta essa canção, não levando ao lado irônico, mas ao lado firme, de que as crianças devem ficar sem escolas e que deve-se continuar com a falta de hospitais. O horror de quem veste a camisa para os horrores da humanidade.

Venha!
Meu coração está com pressa
Quando a esperança está dispersa
Só a verdade me liberta
Chega de maldade e ilusão...
Venha!
O amor tem sempre a porta aberta
E vem chegando a primavera
Nosso futuro recomeça
Venha!
Que o que vem é perfeição!...


Renato convida uma terceira pessoa (eu, ou você, ou ele) ou terceiras pessoas (nós, revolucionadores, críticos e pessoas que se cansaram dessa mesmice), à irem com ele.
Diz que seu coração está com pressa (a pressa da mudança, a pressa de coisas novas), que quando a esperança está ausente, só a verdade o liberta, ou seja: quando tudo está perdido, só os fatos o deixam livre (Quando tudo está perdido, ele enxerga uma luz - "A Via Láctea").
Renato convida para um lugar onde o amor tem sempre a porta aberta, e diz que o futuro recomeça, comparando-o com a chegada da primavera (a estação de "renovação" e "mudanças", onde entra novamente Persephone). O futuro recomeça, e chama para o que vier, e o que vier será perfeição.
O fruto dos erros, são mentes desconfiadas.
Mentes desconfiadas criam revoluções.
Revoluções criam mudanças.
Mudanças causam ajustes.
Ajustes causam perfeições.

No clipe, e até num contexto de interpretações de fatos, imagino que as flores, simbolizem a pureza, e que nessa sociedade utópica onde não haveria "maldade e ilusão", e onde as comemorações seriam pelas verdadeiras virtudes e atos humanos (não as ironias contidas na música, mas o seus opostos), as pessoas simbolizassem as flores, que no fim não são despedaçadas, por justamente estarem puras. As pétalas, que são jogadas ao longo do clipe, são simbolizações de "pessoas partidas", uma vez que pétalas constituem flores, e se flores são pessoas, pétalas, seriam partes delas. Um jardim, seria um coletivo, essa sociedade utópica, esse lugar, "perfeito", que Renato menciona no fim da música, além claro, das flores serem símbolos da primavera, e a primavera, o resultado da mudança.
No fim do clipe, nos últimos segundos, Renato aparece pela segunda vez (ambas brevemente), modificando uma espécie de jogo sobre uma mesa com globos, como se fossem estratégias ou algo parecido com uma cara satisfeita.
Perfeição é um hino para uma geração que não deve se calar.
É a obrigação de jamais ser seguida, mas sempre ser criticada.
É o fato de nos tornarmos menos alheios, e mais presentes socialmente, que nos faz sermos menos alienados e mais críticos. 


- Eduardo Rezende: análise, interpretação e texto crítico. 


19 comentários to "Interpretação: Perfeição"

  • Adorei a análise, achei bem coesa e profunda.
    Só não concordei com toda a metáfora por trás das cores da bandeira...acho que tem um significado intenso, mas não tanto assim. Acho que ele apenas se referia ao Brasil como um todo, não falava sobre as cores e os defeitos da nossa bandeira. Parabéns pela análise.

  • Na verdade, Renato não menciona as cores e nem diz sobre elas. O fato de mencionar a bandeira brasileira, é o fato de mencionar o patriotismo e o simbolismo que empregamos aos objetos patrióticos.
    O colocar as cores, foi algo mais pessoal, que eu coloquei pra dar ênfase à crítica do Renato.
    Agradeço pelos elogios, volte sempre!

  • Análise muito boa. Só discordo um pouco dessa estrofe:
    "Vamos celebrar o horror de tudo isso
    Com festa
    Com velório e Caixão
    Está tudo morto, enterrado agora
    Já que também devemos celebrar
    A estupidez de quem cantou essa canção"
    pra mim, Renato não foi irônico em nenhum momento da música, e se explica no final. Explica o modo que devemos celebrar todos esses horrores, que seria com festa, velório e caixão, ou seja, festejar e celebrar o fim (morte) de tudo isso. E, após essa morte, seria uma estupidez cantar essa canção, pois ela não faria mais sentido nenhum. Minha opinião, não vi em nenhum lugar. O que acha?
    Obrigado =D

  • realmente gostei ! Legião é a alma da música, do rock sem Legião ou melhor dizendo .. sem Renato Russo como seria o mundo ? Seria um mundo em que as pessoas viveriam caladas e não se expressariam como querem por censuras? LOVE RENATO!

  • "E esquecer a nossa gente
    Que trabalhou honestamente
    A vida inteira
    E agora não tem mais
    Direito a nada..."

    Eu tenho certeza que aqui ele fala de tantos brasileiros que viram suas economias desaparecerem com o confisco da poupança pelo Plano Collor. Muita gente perdeu todo o valor das economias que tinha. Alguns até infartaram. O suor de uma vida toda, tinha virado pó.

  • Em primeiro lugar, o primeiro comentário não respondido do Anônimo:
    Eu achei interessante seu ponto, porém, conhecendo o caráter irônico do Renato, apelo ainda pela ironia, não que seu ponto esteja errado. Imagino que ele deveria celebrar a vida, não a morte. O recomeço, não um fim. Mas é um ponto curioso. Obrigado, seja sempre muito bem vindo!

  • O segundo comentário não respondido ao Anônimo (possivelmente o mesmo): Concordo plenamente com você. Renato era um gênio, um poeta, um cantor. Era mais do que tudo isso e mais do que muita gente. Era o líder de uma legião de fãs que não tem mentes nem corações fechados.

  • Lênin, realmente gostei do ponto que você citou, e pode sim ser esse lado. Muito boa a pesquisa e aprofundamento. Seja sempre bem vindo, até uma próxima.

  • Sua análise, vou só acrescentar o que o próprio Renato disse na entrevista que me deu.

    "Gosto de deixar a música bem em aberto. De poder ouvir a música dez anos depois, independente da instrumentação ter envelhecido, e a letra está escrita de uma maneira vai fazer você se identificar. Tem letras que eu sei que se eu tivesse feito referências a coisas daquela época hoje em dia ia precisar de nota de rodapé. Acho importante falar sobre uma situação que esteja acontecendo. Mas veja a diferença por entre "Perfeição" e "Haití" do Caetano. A dele vai envelhecer. Talvez seja uma música histórica. Claro, ele está falando de certas situações que não vão mudar tão cedo. Mas fala especificamente de Carandiru, dos 110 presos... Daqui a pouco as pessoas vão ouvir e não vão ter o contato emocional com aquilo porque não é mais presente. Ao passo que "Perfeição", que trata dos mesmos assuntos, diz: "Vamos celebrar a estupidez do povo, vamos celebrar nossa polícia". Não fica bem claro do que estou falando.

  • E finalmente estamos vivendo tempos em que parece que algum senso crítico foi despertado.

  • QUAL A RELAÇÃO ENTRE DA BÍBLIA NA MÃO DO RENATO DURANTE O CLIPE, O NOME DA MUSICA TODAS AS CALAMIDADES CITADAS DURANTE A MUSICA E A ESTROFE FINAL ? QUEM TEM OUVIDOS OUÇA !!!!

    "Venha, meu coração está com pressa
    E mostrou-me o rio puro da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro.
    No meio da sua praça, e de um e de outro lado do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês; e as folhas da árvore são para a saúde das nações.
    E ali nunca mais haverá maldição contra alguém; e nela estará o trono de Deus e do Cordeiro, e os seus servos o servirão.
    E verão o seu rosto, e nas suas testas estará o seu nome.
    E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os ilumina; e reinarão para todo o sempre.
    E disse-me: Estas palavras são fiéis e verdadeiras; e o Senhor, o Deus dos santos profetas, enviou o seu anjo, para mostrar aos seus servos as coisas que em breve hão de acontecer.
    Eis que presto venho: Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro.
    E eu, João, sou aquele que vi e ouvi estas coisas. E, havendo-as ouvido e visto, prostrei-me aos pés do anjo que mas mostrava para o adorar.
    E disse-me: Olha, não faças tal; porque eu sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. Adora a Deus.
    E disse-me: Não seles as palavras da profecia deste livro; porque próximo está o tempo.
    Quem é injusto, seja injusto ainda; e quem é sujo, seja sujo ainda; e quem é justo, seja justificado ainda; e quem é santo, seja santificado ainda.
    E, eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra.
    Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, o primeiro e o derradeiro.
    Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas.
    Mas, ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira.
    Eu, Jesus, enviei o meu anjo, para vos testificar estas coisas nas igrejas. Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente estrela da manhã.
    E o Espírito e a esposa dizem: Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida.
    Apocalipse 22:1-17



    Quando a esperança está dispersa
    Só a verdade me liberta
    Chega de maldade e ilusão.
    E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. João 8:32

    Por isso que no clipe o Renato carrega uma bíblia na mão !!!

  • QUAL A RELAÇÃO ENTRE DA BÍBLIA NA MÃO DO RENATO DURANTE O CLIPE, O NOME DA MUSICA TODAS AS CALAMIDADES CITADAS DURANTE A MUSICA E A ESTROFE FINAL ? QUEM TEM OUVIDOS OUÇA !!!! (CONTINUAÇÃO)


    Venha, o amor tem sempre a porta aberta
    Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus.
    Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.
    1 João 4:7-8




    E vem chegando a primavera -
    Nosso futuro recomeça:
    Venha, que o que vem é perfeição."
    Mas, quando vier o que é perfeito então o que é imperfeito desaparecerá
    Corintios 13:10
    28 Porque a lei constitui sumos sacerdotes a homens fracos, mas a palavra do juramento, que veio depois da lei, constitui ao Filho, perfeito para sempre. Hebreus 7.28
    Volta de jesus na Bíblia
    "Quanto ao dia e à hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão somente o Pai. Como foi nos dias de Noé, assim também será na vinda do Filho do homem. Pois nos dias anteriores ao Dilúvio, o povo vivia comendo e bebendo, casando-se e dando-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca; e eles nada perceberam, até que veio o Dilúvio e os levou a todos. Assim acontecerá na vinda do Filho do homem.
    Mateus 24:36-39
    "Quanto ao dia e à hora ninguém sabe, nem os anjos no céu, nem o Filho, senão somente o Pai.
    Marcos 13:32
    "Portanto, vigiem, porque vocês não sabem em que dia virá o seu Senhor. Mas entendam isto: se o dono da casa soubesse a que hora da noite o ladrão viria, ele ficaria de guarda e não deixaria que a sua casa fosse arrombada. Assim, vocês também precisam estar preparados, porque o Filho do homem virá numa hora em que vocês menos esperam.
    Mateus 24:42-44
    Pois, dada a ordem, com a voz do arcanjo e o ressoar da trombeta de Deus, o próprio Senhor descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que estivermos vivos, seremos arrebatados com eles nas nuvens, para o encontro com o Senhor nos ares. E assim estaremos com o Senhor para sempre.
    1 Tessalonicenses 4:16-17
    Irmãos, quanto aos tempos e épocas, não precisamos escrever pois vocês mesmos sabem perfeitamente que o dia do Senhor virá como ladrão à noite. Quando disserem: "Paz e segurança", a destruição virá sobre eles de repente, como as dores de parto à mulher grávida; e de modo nenhum escaparão.
    1 Tessalonicenses 5:1-3



    Por isso que no clipe o Renato carrega uma bíblia na mão !!!

  • Parabéns novamente Eduardo! A música é "perfeita" e sempre atual. Demonstra indignação, necessidade de mudança, mas sobretudo a música termina com uma mensagem de esperança em um mundo mais justo e solidário. Mais uma vez Renato demonstra que é cristão. A música não poderia ter outro nome.

  • Há uma ligação entre a mitologia do signo astrológico de Virgem, com Hades raptando Perséfone e por sua mãe Deméter criando o inverno. Eros (e Psiquê - ?) aparecem na simbologia de Peixes (eixo Virgem-Peixes, Virgem é oposto a Peixes). Renato era Áries com ascendente Peixes (calculei seu ascendente no recibo de aluguel). Thanatos é uma boa pergunta nesta situação. E antes que me esqueça, o signo de Virgem é ligado ao arquétipo da PERFEIÇÃO.

  • Concordo com você. É isso mesmo.

  • Concordo com você. É isso mesmo.

  • Perfeito Diego Ribeiro!

  • Eu divido essa musica em duas partes a primeira é a parte que mostra as imperfeições (sendo ironico o nome da musica propriamente dita) do nosso paise da sociedade como um todo,já na segunda parte que se dá no meio e fim da musica valoriza o que nosso pais conquistou no passado com os absurdos gloriosos,e valoriza o povo.

  • Essa música é de que ano??
    Preciso colocar no meu trabalho

Postar um comentário

Comentem aqui o que acharam ou o que pensam sobre!