Uma coisa curiosa que já citei várias vezes nas interpretações, é o modo com que Renato sempre colocou nas músicas da Legião um simbolismo próprio mudando ou fazendo um significado pra palavra. Um exemplo disso, é o termo "Sol", que junto à essa música, em 'Mais Uma Vez', a mesma palavra tem o mesmo sentido.

Em Quando O Sol Bater na Janela do Teu Quarto, podemos observar a esperança de um modo diferente, a crítica sob um outro olhar e analisar o comportamento de uma geração.


Quando o sol bater
Na janela do teu quarto,
Lembra e vê
Que o caminho é um só,

Renato, nessa parte, quer dizer que quando o "sol", chegar e se mostrar, deve-se lembrar que existe apenas um caminho. Sempre encarei essa parte como: Quando as oportunidades chegarem e houver opções, devemos escolher apenas um caminho bom, o caminho do Sol. 

Por que esperar
Se podemos começar
Tudo de novo?
Agora mesmo,

Essa parte complementa a anterior. Por que esperar as oportunidades e os caminhos se abrirem, se podemos sempre recomeçar? Imagino que essa parte seja como se nós tivéssemos a obrigação de fazer com nossas próprias mãos as oportunidades, começando, recomeçando e começando novamente: devemos começar tudo de novo sempre, agora mesmo. 

A humanidade é desumana
Mas ainda temos chance,
O sol nasce pra todos,
Só não sabe quem não quer,

Essa parte mostra que mesmo em um terreno corroído, devemos ser puros e melhores.
A humanidade é desumana (um ótimo jogo de moral e de poesia com as palavras), mas mesmo assim, ainda temos chance, pois o Sol nasce pra todos (se referindo tanto às oportunidades - citadas no começo da análise - quanto o sol de um novo dia), e disso só não sabe quem não se interessa por mudanças, quem vive e prefere a mesmice e a vida cômoda. 

Quando o sol bater
Na janela do teu quarto,
Lembra e vê
Que o caminho é um só,

Renato repete novamente os versos, de que quando o sol bater no quarto (se referindo acho ao fato do quarto ser o lugar de descanso, do vazio e da vida cotidiana), é para se lembrar e ver que o caminho é um só: um caminho paralelo dessa humanidade desumana. 

Até bem pouco tempo atrás,
Poderíamos mudar o mundo,
Quem roubou nossa coragem?
Tudo é dor,
E toda dor vem do desejo,
De não sentimos dor,

Até bem pouco tempo atrás, a sociedade era mais pura e conseguiríamos mudar o mundo, e hoje essa coragem foi roubada pelo individualismo, pela competição, pela mídia alienadora e a desumanização. Tudo é dor, e toda a dor vem do desejo de não sentirmos dor.
Tudo é errado, e tudo o que é errado vem da vontade de sermos puros. 

Quando o sol bater
Na janela do teu quarto,
Lembra e vê
Que o caminho é um só

Devemos sempre nos lembrar: Quando são dadas as oportunidades, e quando o sol bate em nossa janela, nos convidando para um novo dia, devemos fazer a diferença não só para nós mesmos, mas para um meio social e para um mundo que está carente de mentes e vozes que conseguirão mudar.
O caminho é um só, somos lembrados constantemente à cada novo dia, com cada novo amanhecer  O caminho é a evolução, e a evolução é contínua. 



Análise e interpretação: Eduardo Rezende


11 comentários to "Interpretação: Quando O Sol Bater na Janela do Teu Quarto"

  • Nossa, essa é, de fato, minha análise preferida.
    Você conseguiu explicar com magnífica maestria o trecho "tudo é dor".
    E também adorei você ter mencionado "Mais Uma Vez", pelo visto não sou o único que relaciona essas duas músicas.
    Parabéns pelo ótimo trabalho.

  • "Todo hotel que se preze tem catálogo telefônico na gaveta perto do telefone e Bíblia. Só teve uma vez que no hotel não tinha nada, outra vez que em vez de Bíblia era o livro de Mórmom e um belo dia chegamos em... (não me lembro) e o que tinha junto com o TELESP (?) era A Doutrina de Buda. Gostei tanto que quis levar um exemplar prá casa comigo. (Era um hotel grande, eles deviam ter centenas de doutrinas de buda). E, por algum motivo, em vez de roubar um (levar sem avisar) desci até a recepção e perguntei do livro e eles disseram: Tudo bem. Pode levar um pra você. No livro vem escrito: "Qualquer parte desse livro poderá ser livremente citada sem permissão. Gostaríamos somente que Bukkyo Dendo Kyokai seja creditado pelo fato, e que uma cópia da publicação nos seja enviada." e tem o endereço e a gente vai mandar o disco porque toda parte sobre dor e desejo de "Quando o Sol" é do livro. Imagina! A gente pode até fazer sucesso no Japão! (Espero que eles gostem do disco)."
    Isso tá no encarte de "As Quatro Estações". É mais pra enriquecer sua análise...
    É engraçada essa música. Ela só quer nos dizer que não há desculpa pra nossa autopiedade. Que, se a gente sofre, é por acharmos que somos intocáveis (leia 'bons demais para sentir qualquer dor') e não merecedores de sofrimento.
    Enfim, é muito fácil entender essa música, mas tão cruelmente difícil a por em prática!

  • Agradeço ao amigo Raphael e concordo com as palavras da companheira de sempre Thamirys ao dizer sábias palavras do quão fácil é falar e difícil fazer!
    Obrigado pelas palavras, e nem preciso dizer que vocês são sempre bem vindos nessa casa, porque vocês mesmos já tem chaves! rs

  • Excelente... só não concordo com a parte "Até bem pouco tempo atrás, Poderíamos mudar o mundo, Quem roubou nossa coragem?", pois ao meu ver, a relação está mais no âmbito pessoal. Antes, quando jovem, você era mais idealista, mais herói, corajoso. Por que mudou? Onde está sua força pra mudar tudo? É mais uma reflexão pessoal sobre as mudanças de atitudes que são transformadas sutilmente ao longo da vida.

    Obs: Adorei o blog...

  • Interessante seu ponto de vista, e não deve ser descartado.
    Obrigado, volte sempre.

  • Eduardo, acredito que a letra fale da ditadura militar.

    Logo no refrão que inicia a música, Renato deixa claro que, quando a esperança de mudar, o "sol", bater na porta do interlocutor, esse deve se lembrar de que o caminho para um amanha melhor é um só, o caminho da luta contra a opressão da ditadura. As outras estrofes explicitam de melhor forma o contexto da ditadura, como em "a humanidade é desumana", se referindo às torturas crueis dos militares. Ele questiona quem roubou a coragem daquela população, que antes da ditadura, era livre e tinha capacidade de se manifestar. Acho que em "Tudo é dor, e toda dor vem do desejo de não sentirmos dor", a mensagem da letra fica ainda mais explícita, ao se referir às torturas sofridas por aqueles que tentavam se manifestar, e essa tortura e sofrimento a que eles eram submetidos vinham do desejo de não sentirem mais dor, de se livrarem do autoritarismo violento militar. O que acha?


  • Realmente um ponto interessante.
    Ainda creio que ele se refere à esperança de um novo dia, de um novo Sol de alegrias novas, porém, é um tema que teria nexo. Obrigado, volte sempre!!

  • "Até bem pouco tempo atrás,
    Poderíamos mudar o mundo,
    Quem roubou nossa coragem?"

    Esse trecho não fala de geração anterior, tanto que a geração anterior não é lá essas coisas na história do nosso país.

    Os próprios CDs da Legião explicitam isso. Acontece exatamente isso com o Renato, no começo ele protestava muito mais, ele realmente tinha fôlego e lutava pela mudança do mundo, mas devagar ele foi mudando seu foco e foi trabalhando em músicas mais pessoais e sentimentais, com o protesto presente, mas menos expostos.

    Assim somos nós todos, no alge da juventude temos aquela crença de que poderemos ser o super artista, o super músico, o super tudo e assim poderemos mudar o mundo, mas depois vamos nos silenciando mais e mais e nos "acostumando" com o mundo real.

  • *Auge (tenho pavor em errar o português). rs

  • Pelo q eu sei de budismo sobre a parte da dor e do desejo, é q todo sofrimento (dor) deriva do desejo. Do desejo de não mais ter tristeza, do desejo de possuir alguma coisa, saudades, etc. Acho q na música o Renato cita a ideia da 'doutrina' pra reforçar a ideia da música, concordando com aquela. Sabe? Colocando a ideia do Sakyamuni no meio das suas só pra tentar dizer outra coisa.

  • O sol é Jesus (a luz do mundo), a porta o coração do homem, ele é o caminho, a verdade e a vida (e o único caminho); o caminho é o da autoevolução (o nirvana: eliminar o desejo, que é a fonte de toda dor).A humanidade é desumana (Deus se fez homem, mas sem deixar se desumanizar), o sol nasce pra todos (o amor de Jesus é para todos, mesmo para aquele que não aceita ou não crê, mas sabe disso), poderíamos mudar o mundo (com o pecado original/o homem mudou, por meio do livre arbítrio, seu próprio destino), quem roubou nossa coragem? (coragem vem de "cor" (coração), a serpente roubou de deus o coração do homem, "coragem" significa literalmente “contar a história de quem você é com o coração”. Obs: não sou cristão. Penso que essa é a análise mais cabível: uma letra que mistura filosofia, budismo e cristianismo.

Postar um comentário

Comentem aqui o que acharam ou o que pensam sobre!