Apresentada como a faixa número 14, do sexto álbum da Legião Urbana, "O Descobrimento do Brasil", com uma letra reflexiva, simples e real, "Só Por Hoje" foi escrita por Dado Villa-Lobos e Renato Russo, e seu título é perfeitamente colocado com o tema que se trata a música, a dependência de substâncias e o não querer depender delas. O lançamento do álbum coincidiu com o início do tratamento de Renato para se livrar de dependências químicas. 

Só por hoje eu não quero mais chorar
Só por hoje eu espero conseguir
Aceitar o que passou o que virá
Só por hoje vou me lembrar que sou feliz

"Só por hoje" é uma frase da filosofia de grupos de narcóticos anônimos, que prega, resumidamente, a evolução que vai sendo adquirida com o tempo. A cada dia, um novo aprendizado, e tentar ficar longe "só por hoje", do que lhes faz mal, e por esses "hojes" e "hojes", conseguir ficar sem usar.
Só por hoje, Renato ou uma terceira pessoa, da qual, usarei o nome de personagem, não quer mais chorar, só por hoje ele espera conseguir aceitar o que passou, com suas atitudes, e o que virá, com os frutos colhidos por seu livre arbítrio e escolhas passadas, e só por hoje vai se lembrar que é feliz.
O "ser feliz" aqui, imagino eu, se refira ao "temos muita coisa que outras pessoas não tem", como por exemplo, ele se lembrar que apesar de tudo, é feliz porque tem gente em situações piores, como descritas em outras músicas.

Hoje já sei que sou tudo que preciso ser
Não preciso me desculpar e nem te convencer
O mundo é radical
Não sei onde estou indo
Só sei que não estou perdido
Aprendi a viver um dia de cada vez

Nessa parte, o personagem se aceita ser o que é. Ele sabe que ele é tudo o que precisa ser: um conjunto de escolhas, e o resultado de escolhas.
Não precisa se desculpar e nem tentar convencer ninguém que o mundo é radical, e que não sabe pra onde está indo, e diz que sabe que não está perdido. Imagino que ele se refere ao fato de que não precisa se desculpar por tudo o que aconteceu, porque sabe que tudo isso foi culpa dele mesmo, não apenas porque o mundo é radical, e que apesar de não saber onde está indo, sabe que não está perdido. Ele pode estar sem rumo, mas tem uma meta, um mapa e um caminho traçado por si mesmo, porque agora, ele aprendeu a viver um dia de cada vez. Aprendeu que a evolução se dá à cada dia, e que a afobação por querer tudo na hora, só causa imperfeições e brechas de erros.

Só por hoje eu não vou me machucar
Só por hoje eu não quero me esquecer
Que há algumas pouco vinte quatro horas
Quase joguei a minha vida inteira fora

Essa parte é muito reflexiva, e colocando-se no lugar do personagem, é mais do que entendível. Agora a pouco, ele dizia que estava se sentindo bem, e que a evolução estava indo de pouco em pouco, sendo alcançada... Agora ele não quer mais se machucar, não quer se esquecer, que há algumas pouco vinte e quatro horas, quase "jogou sua vida inteira fora". Um dos passos dos narcóticos anônimos é aceitar seus problemas. Pois bem, ele sabia que estava alcançando a "perfeição", e agora viu que quase teve uma queda em quase poucas vinte e quatro horas. Em pouco tempo, ele quase voltou à jogar sua vida toda fora. 

Não não não não
Viver é uma dádiva fatal!
No fim das contas ninguém sai vivo daqui mas -
Vamos com calma !

Só por hoje eu não quero mais chorar
Só por hoje eu não vou me destruir
Posso até ficar triste se eu quiser
É só por hoje, ao menos isso eu aprendi

Os quatro primeiros versos, justificam uma possível falta de esperança em motivos de recaídas. Viver é uma dádiva fatal, estamos sujeitos à cair em tentações e aceitarmos coisas que sabemos que não serão boas para nós mesmos. "No fim das contas, ninguém sai vivo daqui mas vamos com calma", Renato se refere à quem cai nesse poço - quase - sem saída. No fim das contas, ninguém sai vivo, porque o erro o matou, matou uma parte de sua vida, matou possíveis oportunidades, matou sua família aos poucos, seus amigos que ele poderia perder... o matou moralmente, socialmente e emocionalmente, mas com calma, ele consegue se reerguer, e tentar novamente evoluir aos poucos.
Só por hoje, ele não quer mais chorar de angústia, arrependimento ou vontade.
Só por hoje, ele não quer e não vai se destruir.
Pode até ficar triste, cair em abstinência ou se arrepender, por querer voltar à antiga vida em suas recaídas, mas só por hoje, ele aprendeu que só por hoje, ele conseguiu ser melhor. 


Análise e interpretação: Eduardo Rezende


9 comentários to "Interpretação: Só Por Hoje"

  • Parabéns, Eduardo. Você conseguiu mudar totalmente a visão que eu tinha sobre esta música. Sempre achei que se tratasse de uma canção romântica e que o "quase joguei a minha vida inteira fora" se tratava de suicídio. Mas tudo isso faz sentido, acabo por adotar sua interpretação como minha também. kkk
    Adorei.

  • Nossa, me sinto lisonjeado por tal ato!
    Realmente, muito obrigado por sempre estar por aqui, ajudando nas minhas análises com comentários que reforçam minhas ideias, ou que dão brechas à outros pontos.
    Quanto à música, é realmente, analisando por um lado mais humano e vendo a fase em que estávamos em questão, que Renato tinha acabado de sair das drogas, então claro, mais uma vez, as músicas foram para o seu lado pessoal invadindo o seu profissional - arte que ele sabia fazer muito bem.

  • Muito boa a sua análise. Eu particularmente, entendo o trecho :" Viver é uma dádiva fatal!
    No fim das contas ninguém sai vivo daqui mas -
    Vamos com calma !" ... assim: a morte é a nossa única certeza, mas nem por isso devemos acelerar o processo.

  • Pow cara você tem que voltar. você faz a alegreia dos legionarios. adoro LEGIÃO URBANA. pow parabens

  • Eduardo, busquei o significado da letra e encontrei a interpretação que buscava para minha caminhada. Obrigado pela contribuição e parabéns pela sensibilidade no tema.
    Jota (Sorocaba)

  • UFA, pelo menos alguém entendeu a letra sem viajar.

  • Gostaria de fazer uma pergunta...vi duas versões do livro em questão...uma com 200 paginas e outra com 160 paginas, qual a correta?
    E sabem dizer se só tem capa normal ou tem capa dura???

  • Gostaria de fazer uma pergunta...vi duas versões do livro em questão...uma com 200 paginas e outra com 160 paginas, qual a correta?
    E sabem dizer se só tem capa normal ou tem capa dura???

  • Ótima interpretação. Parabéns!
    Só uma pequena nota: Renato Russo começou o tratamento contra dependência entre abril e maio de 93. O disco foi gravado entre setembro e novembro de 93 e lançado em dezembro de 93. Ou seja, foi lançado muito depois do tratamento dele.

Postar um comentário

Comentem aqui o que acharam ou o que pensam sobre!